domingo, 17 de dezembro de 2017

TEXTÃO !!!


Crônica: Sobre politica, terno de 15 mil e atualidades.
Por: Alessandro Buzo

***
Esses dias no Litoral Norte vi um carro de luxo escrito atrás #BOLSONARO
Pensei: - O que esse FDP pensa pra apoiar um cara nojento como o Bolsonaro. Depois fiquei triste de pensar que ele não é um caso a parte, são muitos.
E o pior, essa direita absoluta e burra, é uma tendência mundial, vide Trump nos Estados Unidos e mais próximo de mim, o Dória eleito prefeito de São Paulo no primeiro turno, com muitos votos vindos da periferia.
- O que leva um morador da periferia votar no Dória, pelo amor de Deus, é muita inocência cair num golpe de marketing que fez do playboy almofadinha, um "trabalhador" da noite pro dia, também foi malandro, de numa hora que "geral" estava descrente com os políticos, dizer que não era político, era um gestor. Disse e fez tudo que o povão quer ver e ouvir, lembra ele varrendo rua no início da sua gestão, tem gente que abraça.
E o Tiririca que apoiou o GOLPE e depois renunciou, fez um discurso tirando o dele da reta e pra legião de tele-guiados e alienados, sai como herói ou sei lá que porra. Apoiou o GOLPE, e agora, com dois mandatos com milhares de votos (quem votou nele mesmo), vai se aposentar e viver de boa por anos, pela vida toda, as nossas custas. Vi ele chorando na TV porque não conheceu o pai, cena lastimável, sei que não conhecer o pai é um trauma grande pra qualquer um, mas se expor ao ridículo na TV é querer se mostrar humano, povo. Não caio nessa.
O Naldo bateu na mulher e depois posta um vídeo também ridículo, chorando, pedindo perdão, dizendo que não ouvia a mulher dizer que ele precisava se tratar, depois que bate nela, vem pagar de coitadinho, pra não ficar queimado com a opinião pública, o feminicídio é um mau crescente e um artista que agride a mulher, mostra que ele é igual a maioria da sociedade, machista, homofóbica, violenta, digo "maioria" porque assim como os burros que votam no Aécio acreditando na sua lábia, são muitos, milhões. Acham que mulher é uma propriedade, não aceitam separação, que muitas vezes é motivada por maus tratos, violência, bebedeiras, traições. Mas quando acaba, ele não aceita, que a sua escrava, empregada, amante, dê fim a essa situação.
Vejo o mundo com descredito, não vejo melhoras, a mídia manipula a opinião pública como e quando quer.
Será que o caso FORA DILMA, não viam que o "protesto" dos tele-guiados de verde e amarelo era transmitido ao vivo e os que não queriam TEMER, PMDB, PSDB, era ignorado e oprimido pela polícia, enquanto no outro, pessoas do bem tiram foto com a tropa de choque. Não pretendo "salvar o mundo", porque convencer milhares de pessoas que elas precisam ler nas enterelinhas, é muito complexo, levaria muito tempo e tempo é dinheiro, tempo é saúde, tempo é qualidade de vida. Prefiro em vez de salvar o mundo, ser um bom marido, pai presente, bom vizinho, fazer o bem, pra pelo menos, fazer a minha parte.
Tentei e me arrependo de ter tentado a política tradicional, esperava ser candidato à vereador em São Paulo pelo PCdoB e representar uma classe, dos artistas da periferia e do Hip Hop, coisas que acredito que muda vidas e transformam pessoas, de tabela combate a violência. Mas fui ignorado por muitos artistas que não quiseram se queimar dando a cara pra bater, muitos que me conhecem, não acreditaram na proposta, tive 1.023 votos de 15, 20 mil que precisava, enquanto isso o Fernando Holiday foi eleito pra fazer um mandato torto, contra o povo e contra a cultura, fora o Dória acabando com tudo. Se 20 mil pessoas dos 300 mil votos que teve o Suplicy, votassem em mim, teria eu e ele lá, mas não, votaram nele, vários conhecidos meu, mesmo sabendo que ele já entra eleito. Já votei e votaria no Suplicy, mas o que quero dizer é que muitos poderiam fortalecer a base, votando em mim, porque como era claro que o Suplicy entraria, seriamos nós dois lá.
Fiz um campanha sem dinheiro, sem tempo na TV e na minha quebrada, Itaim Paulista, teve gente perguntando quando seria o churrasco, quando eu pagaria a cerveja, associam o candidato a isso, a "doar" um jogo de camisa pro time da várzea, querem candidatos que prometem o que não vão cumprir.
Não, não quero isso de novo pra mim, tentei, dei a cara pra bater e foi válido, mas não faria de novo.
E outra, quantos vereadores e deputados não são reeleitos e vários mandatos, fazendo as mesmas promessas vazias.
O povo precisa ler mais e ver menos novela e Datena´s, precisa ser mais malandro, senão são tele-guiados como boi indo pro abatedouro.
Ver o Bolsonaro uma saída é ser cego, burro e muitos estão indo nessa onda.
Voltando a periferia e ao Hip Hop, vejo as criticas ao Emicida por ter usado num show um terno de 15 mil.
Mano, se ele comprou o terno com o dinheiro dele, o dinheiro dele é limpo, deixa o cara usar, ostentar, todo pobre quer ser rico, pra isso trabalhamos, pra isso milhares jogam na Mega Sena o ano todo, o sonho de todo pobre é ser rico, isso não é um erro, errado é fazer qualquer coisa pra isso, mas se o cara faz o corre dele, a musica dele, a marca dele e o dinheiro hoje dá pra comprar um terno de 15 mil, que seja. Alguém já foi no extremo da zona norte, no bairro do Cachoeira, ver onde e como ele cresceu, cresceu pobre, teve a casa derrubada pela prefeitura numa área invadida, depois reergueram a casa e lá estaria até hoje se não fosse a música e o dinheiro que o seu trabalho trouxe, não podemos querer que artistas do Hip Hop façam voto de pobreza, senão a juventude não vai querer seguir, ele vê o MC de funk ostentando, ele vê os sertanejo tudo rico, vão querer o Hip Hop se nele só tiver gente falida.
Eu me orgulho de ser do Itaim Paulista, mas hoje moro na Praia de Camburizinho, comprei um terreno e construi com dinheiro limpo, que ganhei na literatura, no hip hop, na TV principalmente, vim morar no litoral norte pela qualidade de vida.
Pra salvar o mundo, acredito, precisa primeiro pagar as contas, por comida na geladeira da tua casa, pagar um convênio médico se possível. Ser um pai ou mãe presente, mesmo que o casamento não tenha dado certo, o filho não tem culpa.
Uma pessoa como eu que tive um pai ausente, desde os meus 12, 13 anos, seria muito filha da puta se fizesse o mesmo, não fiz.
Muito Mi Mi Mi, blá blá blá. Hoje nas redes sociais, todo mundo tem voz, mas nem todo mundo tem algo a dizer.
Vejo a periferia desunida, apoiando os mesmos carrascos de sempre.
Veja o tanto de denúncia contra o Aécio Neves, mas a 3 anos, 49% dos brasileiros votaram nele, todo esse processo de Fora Dilma nasceu dele não ter aceitado a derrota e ter inflado os verde amarelo, aquele que protestaram de Camisa da CBF, maioria classe média (alta ou baixa), paneleiros e afins.
Caimos no GOLPE e estamos tudo ferrado, vendendo o almoço pra comprar a janta.
Quando um dos nossos está em alta, bem e pode comprar um terno de 15 mil, vem o BATALHÃO DE POLICIAMENTO policiar a vida alheia, tem rico que gasta 15 mil num jantar, num vinho.
Precisamos acordar os que não enxergam o óbvio, nos querem pobres e desunidos, fazendo voto de pobreza e com a geladeira vazia.
Sei que virou um textão, nem sei se consegui passar direito o que eu penso, só queria desabafar e tirar essas coisas entaladas na minha garganta.
Esse texto é um pedido pra perder seguidores no Facebook, ótimo, a fila anda, sai quem nem deveria estar e abre vaga pra quem quer chegar.
Não me diga pra que lado devo seguir, sigo o meu coração e trabalho muito, pra dar o melhor que eu puder pra minha família e quem eu posso ajudar, direta ou indiretamente. O resto é intriga da oposição.
BOAS FESTAS e 2018 não é só ano de COPA, aliás, foda-se a FIFA, é ano de eleição.
Mega chance de fazer uma limpa, mas acho difícil, povo gosta de promessa.
Alessandro Buzo
escritor.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Falando em Rogério 157 que foi preso hoje no Rio de Janeiro, publico conto (ficção) que escrevi em novembro, quando estive na Rocinha.

Um dia qualquer na Rocinha
Por: Alessandro Buzo



Bruno, conhecido também como Magrelo, é morador da Favela da Rocinha no Rio de Janeiro, a maior do Brasil.
Mora na comunidade há 7 anos, antes morou no Vidigal, na verdade a casa atual é a décima sétima da vida, tem mania de listar as coisas, desde pequeno morou em 17 casas, 15 com sua mãe e irmãos e duas desde que passou a morar sozinho.
Acordou naquele dia com o reflexo do sol na cara, calor da porra logo cedo.
- Putz, quase meio dia. Se assustou ao ver 11h48 no relógio.
Ligou a TV pra ver o gols do mengão, ganhou ontem, domingo, por 2x1 do Cruzeiro no Maraca, queria ter ido ao jogo, mas uma dureza dos infernos se abateu sobre ele, a uns dias sem dinheiro pra nada, passou final de semana na casa da namorada, que emprestou o da passagem pra ele voltar.
Olhou ao redor e confirmou o que já sabia, sua casa estava de pernas pro ar, precisava dar uma geral urgente, pelo menos um mínimo precisava ser feito, com muita urgência.
Antes, assim que viu os gols no RJTV 1a edição, jogou uma contra a maquina no futebol do XBOX, jogão, 1x1. Torce pra ele mesmo quando joga, grita, xinga.
Abre o computador, geral no Face e email, ver se algum trampo chamou, faz freela de fotografo, seu vídeo game, computador velhinho e sua câmera fotográfica é tudo que tem na vida, além dos seus livros, meia duzia de peças de roupas.
BINGO !!!!
Um email fizendo pra ele passar em Botafogo e receber por um freela que fez de fotos, mas lá só paga com o RG, ele sabe que não adianta ir sem. O problema é que ou ele perdeu, ou está sumido na bagunça da casa, precisa receber pra comprar cigarro, maconha, comida, falta tudo.
Foi passar um café, mas não tinha coador, decide tomar uma água gelada.
- Puta que pariu, nem uma água gelada tem.
Olhou a última garrafa, ao lado do seu colchão, pegou e bebeu um gole, apesar de quente.
Começou uma arrumação a procura do RG, já perdeu com esse, sete RG´s.
Levantou o colchão e saiu pegando copos, pratos e talheres espalhados pelos dois cômodos, juntou na pia a uma louça equivalente a uma montanha. Começa a lavar, sem a louça lavada, qualquer arrumação é em vão.
Quarenta minutos depois, louça lavada como a muitas semanas não se via, desde a última vez que a Bia, sua namorada, esteve lá. Juntou uns livros, colocou nas prateleiras.
Arruma daqui, dali e nada de achar o documento, a fome gritava, comeu seco três bolachas de maisena num pote e duas bolachas recheadas meio murcha num pacote jogado. Precisava por a mão na grana, almoçar arroz, feijão.
Mas acabou não achando o RG, traçou um plano, descer na delegacia do bairro em São Conrado, fazer um B.O. de roubo, pra justificar a perda do documento e evitar a taxa da segunda via, ou oitava via.
Depois que fizesse isso, o B.O. e o pedido de um novo RG, tentar receber com a carteira profissional e o protocolo do RG.
Desceu as vielas da Rocinha a milhão, a descida quando está sozinho é rápida, cada passo pula uns quatro, cinco degrau.
Passou pela boca e pensou que não tinha grana pro baseado, achou uma ponta na arrumação e deu um trago, mas precisava pegar um verde. Na volta, se recebesse.
Chegou na 11a delegacia, usar suas técnicas de teatro, pra se passar por assaltado.
Tudo começou bem.
- Quero fazer um B.O., fui assaltado agorinha mesmo.
- Levaram o que do Sr.
Gostou do Sr.
- Celular, que não valia grandes coisas e minha carteira, com uns trinta e poucos reais e meu RG. Vim fazer o B.O. só pelo RG, vai saber o que o maluco vai fazer com ele.
Senta ali, já te chamo.
Passou dez minutos e nada, até que vem um policial na sua direção.
- Mora onde rapaz ?
- Na Rocinha. Respondeu seco, mas com simpatia.
- Pô cara, você mora na favela e foi roubado na pista ?
- Pro sr. ver como anda as coisas.
O polícia segue.
- Tem passagem na polícia ?
- Com todo respeito, se eu devesse alguma coisa, acha que eu estaria aqui.
- Usa droga ? Fuma um baseado ?
Magrelo preferiu ser sincero: - De vez em quando, em casa, dou uns trago.
O polícia chamou outro PM: - Olha o cara, vem na delegacia dizer que fuma maconha.
-Ta maluco magrelo.
Bruno pensou, como ele sabe meu apelido, respondeu a eles com calma.
- Desculpa, não quis ofender, o Sr. perguntou e eu só respondi, preferi dizer a verdade.
O segundo PM diz: - Quando for assim, você mente. Não fala que usa droga pra um policial.
- Nem fumo sempre, foi mal. Podemos fazer o B.O. ? Fui assaltado.
O primeiro policial indica uma cadeira pra ele sentar.
- Vamos lá, foi roubado onde, como ?
Magrelo pensou que seria clichê dizer que tinha sido um negro, não é preconceituoso e não queria reforçar o estereotipo.
Enfim disse: - Um cara branco, de moto, parou e disse: - Perdeu mané. carteira e celular.
Apontou uma arma.
- Passei pra ele que partiu, disse mais nada. Fui roubado por um branquelo.
- Viu o rosto dele ?
- Não, estava de capacete, lá tem várias câmeras de vigilância, podiam tentar ver a placa da moto. Disse Bruno gastando no teatro.
O PM que digitava o B.O. pensou: - Até parece que alguém vai se dar a esse trabalho, por uma carteira com trinta e poucos reais.
O primeiro PM voltou e disse: - Ai, tu mora na favela, sabe que não pode roubar perto da comunidade, em vez de fazer B.O. você deveria ir reclamar com o Rogério 157. Você conhece o Rogério 157 ?
- Não senhor, nunca ouvi falar.
O segundo PM chega perto dele e diz: - Você mora na Rocinha e não conhece o Rogério 157 ?
- Pô senhor, vocês pediram pra eu mentir, não falar a verdade pra vocês, decide ai, se falo a verdade ou não.
- Essa foi boa, vou aliviar pra você.
O que digitava imprime o B.O. e dá pra ele: - Vamos investigar, taí o seu B.O.
Com o boletim, foi voando pedir uma nova segunda via do RG. Sem ter que pagar taxa.
A fome apertou, passou pelo carrinho da Cida que vende empada a um real na entrada da Rocinha, antes de chegar as vielas que levam pra todo lado na Rocinha é um mar de comércio, vários bares, academia, igreja, puteiro, padaria com pão quente qualquer hora da madrugada. Tem de tudo.
- Cida, me vende três empadas fiado, pago a tarde quando voltar.
- Que sabor.
- Empada de 1 real, ainda fiado, tenho nem direito de escolher sabor, qualquer um serve.
- Ta na mão.
- Obrigado, matou a fome de um trabalhador.
Ela riu. Ele partiu.
Deu entrada no RG novo, mas viu que não daria mais tempo de chegar até 17h em Botafogo. Ligou pra namorada, contou como foi seu dia.
- Tô voltando pra casa, pelo menos ela está arrumada.
- Da um perdido no busão e vem dormir em casa, peguei uma grana, faço uma janta boa e te empresto R$ 50,00 até tu receber.
- Fechou, lá em casa não tem nem água.
Partiu, a Bia era a mulher da sua vida, nunca ninguém se preocupou tanto com ele, voltou de onde estava, já estava dentro da Rocinha, pensando na Bia quase foi atropelado por um dos muitos moto taxi que circulam na favela a mil.
Com o susto, ficou atento e partiu, que dia cheio. Só dar um perdido no bus e cair nos braços de sua amada.
Um dia Bruno pensa em virar escritor e escrever sobre sua vida na favela. Leu em algum lugar sobre uma tal de Flup, que transforma periféricos em escritores, queria isso pra ele, sempre gostou de ler e tem vários livros na sua humilde casa, costuma dizer que uma casa pobre é uma casa sem livros.
Sua casa é só humilde, mas se virar um escritor famoso, duma companhia das letras da vida, ganha um desses prêmios de 200 mil e compra uma casa pra casar com a Bia.
Da sinal e pega o ônibus. Pós graduado em viajar sem pagar, ou como dizem: - Dar um calote.

Alessandro Buzo é escritor, autor de 13 livros.
www.buzo10.blogspot.com
suburbanoconvicto@hotmail.com


sexta-feira, 10 de março de 2017

LANÇAMENTO OFICIAL DO LIVRO "O FILHO DA EMPREGADA" DE ALESSANDRO BUZO






***
Fotos: Marilda Borges
***

Ontem, quinta-feira, 09 de março de 2017, lancei meu décimo terceiro livro: O Filho da Empregada, contos de Alessandro Buzo.
Alguns bons amigos prestigiaram, fortaleceram, vieram comprar a obra, tirar uma foto, me dar um abraço.
Apesar das vendas não terem sido "tudo isso", me deixou extremamente feliz.
Cada vez mais vejo que as vezes é melhor estar cercado por poucos verdadeiros do que muitos por interesses paralelos, agradecer a quem chegou e quem estava torcendo a favor.
O livro é independente, parceria da Editora Edicon e da Suburbano Convicto Edições.
Um periférico lançar um livro não é mais novidade, nem sai mais no jornal, nem na revista, mas continuo achando que a mídia, nesse caso principalmente a impressa, deveria sim contar cada caso, cada livro, mas deixou de ser novidade, e não dá mais nem nota de rodapé de página.
Vivemos assim, nos tempos de redes sociais, onde mais vale CURTIR do que comparecer.
O livro está ai, disponível para venda (R$ 30,00 + R$ 5,00 de frete) pra todo Brasil, só chamar no email: suburbanoconvicto@hotmail.com , deposito Itaú x Sedex.
Ontem fiquei feliz, não pela quantidade de pessoas, nem pelas vendas, abaixo do esperado e do que precisaria pra cobrir um cheque da editora segunda-feira, fique feliz porque sei que quem colou é de verdade, venho mesmo pra somar.
Agradecimentos especiais a minha esposa Marilda Borges e meu filho Evandro, sempre juntos em qualquer missão.
Próximo lançamento dia 23 de Março, no BAR CARTOLA em Boiçucanga, São Sebastião-SP, Litoral Norte.
Seguimos na resistência e acreditando na mudança a partir dos livros.
Alessandro Buzo
escritor




Os escritores Alexandre Peppe e Alessandro Buzo



Marcio Costa, João e Buzo





Paulo D´Auria, Buzo e Cissa Lourenço



Buzo e a Mayara Silva que escreveu o prefácio



Buzo na missão



Alessandro Buzo e Walter Limonada



Fabio Macca e Alessandro Buzo



Buzo com o seu décimo terceiro livro.





Cliff da Bahia e da Vai Vai e Xantilee Jesus



Ruivo Lopes e Buzo



Xanti, Buzo e Cliff



Crespo, Buzo, Ivon e Tiago



Wagner Merije e Buzo



Cissa, Marilda Borges, Buzo e Mayara



Jaime Queiroga e Buzo



Cleiton e Buzo



***

Fique ligado em outros lançamentos no Blog do Buzo

www.buzo10.blogspot.com

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

CONTO: Formação de Quadrilha.


Os nomes dos personagens são os mesmos dos apelidos dos políticos, dado pela Odebrecht.
Por:
Alessandro Buzo *
***


***
A polícia militar apoiada pela mídia, sociedade e outros interessados, começa a invasão de mais uma favela dominada pelo crime organizado. Querem ali mais uma UPP, uma milícia, enfim... querem o lucro todo, que só parte eles tão achando pouco, barato é vender "nós" mesmos as drogas, TV a gato, gás, transporte, é muito dinheiro envolvido.
A invasão tem início com transmissão "ao vivo".
No alto do morro o "patrão" Botafogo, que tem esse nome porque torce pro fogão é claro, está com sua tropa de resistência, cercado por Las Vegas, Campari e o Helicóptero, um pouco mais abaixo uma trincheira com Gripado, Todo Feio.
Botafofo alucinado fala ao rádio, hora com o Indio, hora com o Bitelo.
- Porra Índio, fala alguma coisa, os porcos já entraram.
- Entraram sim patrão, a primeira turma da boca do asfalto, foi meio que surpreendido, porque desacreditou que os porco ia entrar.
- Caralho, como desacreditou, tá "ao vivo" na TV, pegou tudo eles ?
- Não patrão, o Corredor fugiu, pegaram o Gremista, Tuca e Misericórdia, o Decrepito morreu na troca de tiros e o Boca Mole foi ferido.
- Segura ai Índio. Fala Bitelo, Bitelo na escuta.
- Na escuta patrão, tamo trocando tiro aqui mas acho que vamos ter que recuar, os porco tão em cima.
- Eles acharam a casa das drogas ?
- Não patrão, passaram batido, o Mineirinho está lá, cuidando do PÓ BRANCO, apoiado pelo MT e o Santo.
- Tó achando estranho o MT estar lá hoje, o MT não estava na missão.
- Não, ele não tinha ido ainda.
- Ele junto com o Santo, se eu vacilar me dão um golpe.
- O Mineirinho é de confiança patrão.
- De confiança se não cheirar a farinha toda. Segura ai...
- ÍNDIO, ÍNDIO.... na escuta.
- Patrão, fudeu geral, tão cercando a gente por todo lado, o Kimono morreu. Prenderam as meninas.
- A Missa e a Feia ?
- Sim patrão, elas estavam tentando levar duas bolsas de dinheiro pro Asfalto, o MT que mandou.
- O MT não manda em porra nenhuma, passa ele, antes que ele dê um golpe junto dos porco e domina a porra toda. Avisa geral, passar o MT.
- No momento tem como voltar lá na casa não, se não fosse o Reitor, o Careca e o Caju segurando os porcos com fuzil, eles já tinham chegado ai.
O patrão Botafogo, coloca uma camisa do Vasco e dá a ordem, Las Vegas, Campari, pega a nave, diz pro Babel que vamos fugir pelos fundos e chegar no morro dos amigo lá.
Assim se deu, enquanto suas barreiras impediam a subida dos porcos, o Botafogo e seus aliados mais próximos fugiram pela parte alta do morro, que dá acesso a outra comunidade da mesma quadrilha.
Botafogo jurava MT e SANTO de morte enquanto fugia e gritava: - Vou voltar e fazer justiça.
A fuga foi filmada pelo GloboCop e transmitida "ao vivo" pra delírio da sociedade.

* Alessandro Buzo é escritor.


DEZ/2016

domingo, 20 de novembro de 2016

CONSCIÊNCIA NEGRA

Por: Mary do Rap (RS)
***
Hoje dia da consciência negra.
Dia de educação para a paz.
Olhe então para o mundo e os diversos sentimentos fragmentados da forma do jeito da história,o diagnóstico será sempre o mesmo fragmentação. E ai está o erro de tudo e em tudo.Em todos os sentidos.Não só hoje mas desde às nossas raízes que a razão se traduz nas diferenças.
Criamos posturas que operam em si mesmas limites alheios e instintos de que no mundo e em todos os hemisférios, existem o ser superior e os inferiores, e formação de grupos que vão se partindo.Este é o exercício que domina o exercício .Você entende.
Por que a qualidade superior por exemplo no homem e a inferior nos animais.Quem disse que é assim?
Sendo sssim o fluxo da vida foi por si promovendo todo o desequilíbrio.
A vida que o penetra trouxe enraizada o enredo fragmentação.
Diferenças.
Divisão.
Tudo então se parte,na dimensão física e na comunidade humana.
Eu acho que o movimento consciente,hoje e toda a semana da consciência negra não deveria ser feito para quem não tem preconceito,se o foco está naquele que separa e que julga profundamente o negro como realidade diferente e separa do crescimento do grupo social por exemplo.
E isto tudo que coloquei aqui ,vai muito além, que puder ser incluído. Vai além do movimento consciência negra,vai além da linguagem falada hoje ,dos manifestos para humanizar e para a convivência sem esta postura de poder que estimula o racismo.
A capacidade de ser para um estudioso em meio a complexidade, de integração ,e evolução,de criação e de liberdade se mistura com o cumprimento de ser condenado por seu próprio destino.Este é o homem.Este é o ser competitivo que declarou guerras e que encontra o domínio através da fragmentação de pele.
Faço meu convite para a maior convivência sem muralhas e sem couraças negativas.
Pois nada nem ninguém deveria ser negado.Aí nos deparamos com a comunicação e os relacionamentos e o coletivo.....
E a realidade que temos é uma visão parcial fragmentada e portanto distorcida.
MARY DO RAP

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Dois contos meus em livro no Chile



Mais uma participação internacional, livro lançado no Chile com escritores brasileiros de São Paulo.
São dois contos meus em espanhol, o livro "Brasil Periférica - Literatura Marginal de São Paulo, traz ainda os textos em português.
Aos poucos vamos espalhando nossa literatura por esse mundão de meu Deus.
Valeu Lucia Teninna da Argentina, organizadora da obra no Chile.
Nóiz q tá
Alessandro Buzo


sábado, 22 de outubro de 2016

COLUNISTA > Mary do Rap de Porto Alegre-RS

Titulo: LETRAS MORTAS.
Por: Mary Basgesteiro (RS)
***
Certa expressão me disse: Todo o poder emana do povo.
Mas tudo é violado a cada instante.
A verdade pois, é sempre muito duvidosa, os tópicos nunca são bem claros para nós.
Faça um exame. Me diga determinantes que tragam mudanças para os brasileiros, todos, em massa.
Mudanças que venham favorecer tantos anceios e que não sejam um ataque a nossa liberdade.
Quantas questões lhe veio a mente, não é.
Reconheço expressar aqui mais uma vez minha frustração, com tanta desarmonia e exploração de sentimentos. Porque na verdade nada é suficiente, e tudo é perfeitamente inútil.
A estrutura toda é uma aparência, uma vitrine de mentiras e de enganos. Nos quais a separação e o desprezo insistem e se colocam a frente de tudo. Sendo teu envolucro, tua ruína e tua maior realidade.
O coletivo, distante, vira capa de uma falsa democracia. Na verdade tudo está muito longe da verdade.
A participação do cidadão é restrita e os direitos em muitas decisões públicas está muito longe da vontade popular. Toda a estrutura social desvia padrões e só revigora os interesses de todo o mecanismo exigido pelo regime, ou seja, pelo sistema.
Tudo é um mecanismo manipulado e cheio de encenação.
“Para o poder não emanar do povo“.
É necessário avaliar seu grau de liberdade, assim como seu grau de responsabilidade.
Mas toda esta organização falsa é muito grande e esclarecida. E acabamos por ser submetidos por uma lei abrangente, forçosamente imperiosa.E impiedosamente má .
*
Mary do Rap

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Publiquei esse "TEXTÃO" a um ano..... tão atual.... que resolvi republicar.

MAIORIDADE PENAL, SOU CONTRA.
A tragédia nossa de cada dia.
Por:
Alessandro Buzo


Assistindo ao filme "Última Parada 174" agora de madrugada (28/04/15) na Globo, já tinha visto, mas é sempre surpreendente a realidade.
Nesse filme é uma mistura duas tragédias, Chacina da Candelária e o Ônibus 174.
Vendo o filme do Bruno Barreto, fico imaginando o tanto de tragédia que acontece todo dia por conta de famílias desestruturadas.
Já dei aula em Fundação Casa desde quando era Febem, lá via ao vivo as vítimas dessas tragédias.
Porque vítimas ?
A sociedade e os que lutam pela Redução da Maioridade Penal vão dizer que "VÍTIMA" são quem eles roubaram, quem eles mataram e "EU" sou defensor de bandido. OK, é fácil demais ver por esse lado, com o Datena e o Corta Pra Mim fazendo lavagem cerebral "todo dia" na TV.
Mas essa visão, que branda por mais polícia, mais cadeia e redução penal, só aumenta o problema, não traz nenhuma solução.
São milhares de "Sandro" (do Ônibus 174) nas grandes cidades brasileiras. Jovens que cresceram sem nada a favor, com pais desempregados, alcoólatras, drogados.
O governo ano após ano, independente de partido, só rouba. POLÍTICO É TUDO LADRÃO.
E essas famílias chegam a esse ponto porque desde sempre estão no olho do furacão, no círculo vicioso.
Acha que é fácil ser honesto na favela ? Ser trabalhador...
Trabalhador só se fode, todo dia, de todo lado...
Além de ganhar um salário que deixa a desejar, é condução lotada e desumana, o cara sai do fundão, passa duas horas apertado no busão, metrô e trem, pra chegar no centro e precisa estar sempre bem, mesmo que não tiver nem dinheiro pra tomar café e a primeira refeição vai ser a marmita meio dia.
Fica doente, não tem médico, nem remédio, o patrão se enfeza com a falta...
Isso tudo (patrão, salário, transporte, saúde) pra quem se aventura a ser honesto no Brasil, e ainda assim, quando a polícia chega na favela é esculacho pra geral, pode ser bandido, trabalhador... inúmeras injustiças.
Essa é a vida de quem consegue se manter honesto, trabalhador.
Muitos não conseguem segurar a onda e vivem nas drogas, na bebida (que é a pior droga da favela).
Desses que não conseguem, nascem os filhos do descaso.
Crianças que vão crescer sem escola, sem comida, sem amor, sem natal, sem páscoa, sem dia das crianças.
São crianças que graças ao "circulo vicioso" que começa com o político roubando o que seria pra cultura, esporte, saúde, transporte digno. Ai desce pro patrão que só explora, pro cara que ganha mal, pro que desiste de lutar e chega no menor, que de tanto tomar porrada, quando cresce um pouco, 14, 15 anos.... vão a luta, do seu jeito, fazer a redistribuição de renda.
Não trazem flores, porque só conheceram porrada e dor.
Armados viram o bandido e roubam, matam....
Claro que é mais fácil prender.
Redução penal pra 16 anos não resolve nada, só vai superlotar mais ainda as cadeias e esses jovens vão chegar mais cedo na faculdade do crime.
Como já disse, dei aula em Febem e conheço bem, lá não regenera ninguém, é pura repressão. Parei de ir porque deixei de acreditar que podia salvar alguém, estando dentro desse sistema falido.
Mas ainda assim, quando você salva uma vida, já valeu a pena.
Pra solução dos problemas só acabando a corrupção, essa sim é a razão de tudo, o câncer do país.
Precisa investir em educação, lazer, esporte, cultura.
Esses projetos somados com escola boa, salvaria vários jovens e esses não indo pro crime já diminuiriam a violência.
Mas quem liga, quem investe nisso....
Eu mesmo (com a visibilidade que 3 anos que a Globo me deu), tenho vários projetos engavetados por falta de patrocínio, são filmes, livros e um espaço cultural permanente no Itaim Paulista.
Se eu que sou famosinho, não consigo apoio, imagina os projetos culturais tocados no voluntariado por militantes culturais, eles mantém por amor, senão já tinham parado.
Nem o governo ajuda, o VAI da PMSP é importante mais é muito pouco, pelo tamanho da cidade, as super populações de suas periferias, precisa mais...
Qual empresa investe nisso ?
As vezes algumas apoiam uma ONG grande, ai a mídia e todos investidores ajudam a mesma pessoa ou instituição pra limpar a consciência social, tipo o Afroreggae (por exemplo), movimentava milhões, enquanto outros não recebem nada.
Está tudo errado, o funk ostentação acabou de piorar tudo, as quebradas estão a milhão, sem freio...
Era a brecha que o sistema queria.
Não investe em escola, transporte, segurança, saúde, esporte, cultura.....
Depois manda a polícia cometer vários abusos de autoridade.
Criam famílias desestruturadas, filhos desse descaso vai te roubar no farol, ai muda a lei e prende o menor de 16 anos, depois quando ver que não resolveu prende com 14, depois com 12, até o dia que pobre vai nascer tomando geral de PM na maternidade, pra acostumar.
E acreditem, estaremos vivendo uma guerra civil e não terá resolvido o problema.
Pra resolver é menos corrupção e mais investimento em escola, transporte, segurança, saúde, esporte, cultura.....
Por enxergar além da caixinha e do comodismo é que sou contra a redução da maioridade penal.
***
Alessandro Buzo é escritor
www.buzo10.blogspot.com

quinta-feira, 10 de março de 2016

Literatura (é) a Cura.

RESENHA do Livro: Polifonias Marginais
Por: Alessandro Buzo



Acabei de ler o livro: Polifonias Marginais de Lucía Tennina, Mário Medeiros, Érica Peçanha e Ingrid Hapke. (Aeroplano Editora - 412 páginas), um documento histórico do Movimento dos saraus e da Literatura Marginal.
São 4 entrevistadores, Lucía Tennina (Buenos Aires/Argentina), Mário Medeiros (Campinas, SP, Brasil), Érica Peçanha (São Paulo, SP, Brasil) e Ingrid Hapke (Berlin, Alemanha) e são 32 entrevistados, entre eles, EU (escritor Alessandro Buzo).
Cada autor (entrevistador), todos com teses baseadas em Literatura Negra, Marginal ou periférica, entrevista alguns escritores e donos de bares onde acontece saraus em São Paulo. Fui entrevistado e participo nos capítulos de Mário Medeiros e Lucía Tennina.
Muito bom os depoimentos dos entrevistados, fiquei sabendo várias passagens que não sabia...
As entrevistas foram feitas há época dos mestrados de cada um, 2007, 2010 à 2013, se não me engano.
Da hora ouvir o que pensa também os donos de bares que recebem os saraus... entre eles os três que mais gosto, Carlita, Santista e Zé Batidão, três cidadãos comuns, donos de boteco e que também por conta dos saraus, tiveram sua trajetória modificada.
Relatos importante de grandes nomes da cena, outros nem tão conhecidos assim, no sentido midiático eu digo.
Um livro obrigatório pra quem faz parte ou admira a Literatura Marginal e os sarau de São Paulo.
Fico imaginando um Polifonias Marginais 2, com mais entrevistados, muitos outros (que ficaram de fora aqui), mas que nos últimos anos se firmaram na cena.
Pra mim como um dos entrevistados, foi uma honra, um prestígio estar nessa obra.
Quanto ao quarteto de autores, todos tem o respeito do movimento e foram as pessoas certas pra documentar o movimento em mais essa obra.
Corra atrás do seu exemplar, tem na Livraria Suburbano Convicto (www.livrariasuburbano.com.br), algumas vezes citada no livro.
Obrigado à Mario Medeiros e Lucía Tennina, por terem me incluído no livro.
Acho que faço um pouco parte de tudo isso, não sei como seremos vistos no futuro, dentro da Literatura Brasileira, mas sei que não é possível ignorar que existe sim uma cena, um movimento, uma movimentação e livros, muitos livros.... eles ficarão pra eternidade.
Pensavam que não sabíamos nem ler, e estamos escrevendo livros, frase minha.
Seguimos em frente..
Alessandro Buzo, escritor.
www.buzo10.blogspot.com



Buzo com dois dos autores, Mário Medeiros e Érica Peçanha, no primeiro lançamento da obra que aconteceu no Sarau Suburbano.


****

LIVROS QUE O ESCRITOR "ALESSANDRO BUZO" LEU EM 2016.

(01) - FÁBIO ROGÉRIO MANDA UM SALVE ! de Fábio Rogério e José Ribeiro Rocha (SB Editora - 456 páginas).
(02) - Luxúria de Fernando Bonassi (Record - 368 páginas).
(03) - Os Anjos de Badaró de Mario Prata (Objetiva - 256 páginas)
(04) - Eu, TU, ELE, ELES de Fabricio Cunha (Ed. Reflexão - 76 páginas)
(05) - Polifonias Marginais de Lucía Tennina, Mário Medeiros, Érica Peçanha e Ingrid Hapke. (Aeroplano Editora - 412 páginas)

***
Estou lendo agora..... NCA - Entre a Luz, a Câmera e a Ação. (org. Daniel Fagundes, Maria Helena Barros e Paulo Emilio Pucci

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Site de Vendas da LIVRARIA SUBURBANO CONVICTO, única do país especializada em Literatura Marginal.


***
Ajuda a divulgar, traduzindo... compartilha.
FORTALECE QUEM COMPRA UM LIVRO, o resto é tapinha nas costas.

www.livrariasuburbano.com.br

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Agenda de saídas (programadas e confirmadas)..... do Projeto LIVRARIA SUBURBANO NA ESTRADA 2016

Contatos: suburbanoconvicto@hotmail.com
(11) 98218-7512
(11) 98429-4452




AGENDA: Visita do Projeto Livraria Suburbano na Estrada com LIVROS (da Literatura Marginal), cds, dvds, bonés e roupas


*** NÃO TEMOS SAÍDAS PROGRAMADAS.




LIVROS da Literatura Marginal, Cds, DVDs, Revistas, bonés e roupas.



LIVRARIA SUBURBANO lança Site de Vendas.

http://livrariasuburbano.com.br/




Já está no ar o SITE de VENDAS da Livraria Suburbano Convicto do Bixiga, única do país especializada em Literatura Marginal.
Agora VC pode comprar de todo Brasil, pagando via cartão de crédito e recebendo em casa via sedex.
Apostamos alto no site pra seguir nossa história, as vendas na loja física estão baixas e o site pode salvar, literalmente.
Participe, colabore, divulgando nosso site e se possível, comprando um livro.
Ainda estamos EM CONSTRUÇÃO, colocando mais itens, arrumando, colocando conteúdo além das vendas, o site é ligado ao nosso CANAL no YOUTUBE.
O lançamento oficial é dia 19/01/16 no primeiro SARAU SUBURBANO do ano, mas o site já está no ar e funcionando.
Vendeu 1 livro (INCORPOROS) pra Minas Gerais, antes mesmo da gente divulgar.
Assim q é....
***
Alessandro Buzo, escritor
proprietário da Livraria Suburbano Convicto
(11) 98218-7512
suburbanoconvicto@hotmail.com

http://livrariasuburbano.com.br/

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Primeira ida ao Bixiga no Ano..... LIVRARIA SUBURBANO CONVICTO segue rumo aos 9 anos.


Sarau Suburbano volta dia 19 e vem ai aniversário de 6 anos.


***
Ontem (terça, 05/01/16) fui ao Bixiga, senão o ano parece que ainda não começou.....
Fiz uma reunião com o Mateus Ribeiro que gerencia o NOSSO SITE DE VENDAS que acaba de entrar no ar (já fez 1a venda).... www.livrariasuburbano.com.br
Pra vendas ao público, o esquema segue.... Abre as TERÇAS-FEIRAS das 12h às 22h. Atendemos também (qualquer outro dia da semana), agendado.... suburbanoconvicto@hotmail.com
Sarau Suburbano segue (a partir de 19/01), toda terça das 19h30 às 22h, apresentação: Alessandro Buzo.
Vem ai camisetas novas do Sarau Suburbano, outros modelos da Suburbano Convicto.
O bonde não para, diria meu mano MV Bill....
Vem 2016, já estamos no jogo.
***
Alessandro Buzo, Marilda Borges e Evandro Borges.
FAMÍLIA SUBURBANO CONVICTO




***
Livraria Suburbano Convicto
Rua 13 de Maio, 70 - 2o andar - Bela Vista - São Paulo - SP - CEP: 01327-000.
Fone: (11) 98218-7512
ABRE: TERÇAS-FEIRAS das 12h às 22h. Ou agendado...
suburbanoconvicto@hotmail.com
***



LANÇAMENTO DO NOSSO SITE de VENDAS.

www.livrariasuburbano.com.br

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Amanhã "sábado" ..... PERIFA PAZ com Livraria Suburbano na Estrada, Sarau Suburbano e muito.... muito mais.

Dia 05/12/15 tem SARAU SUBURBANIO e mais um monte de atração no Perifa Paz....
Alô zona leste..... alô São Paulo.... bora colar todo mundo, vai ser lindo....

POETAS CONVIDADOS / SARAU SUBURBANO
Alessandro Buzo
Tubarão Dulixo
Marcio Costa
Débora Garcia
Daniel GTR



Livraria Suburbano na Estrada, das 14h30 às 18h30
Saiba mais.....

www.literaturaperiferica.blogspot.com

Saiba mais do Sarau Suburbano

www.sarausuburbano.blogspot.com


sábado, 28 de novembro de 2015

Buzo lança livro "Ruas de Fogo" e leva PROJETO LIVRARIA SUBURBANO NA ESTRADA ao IX ENCONTRO PAULISTA DE HIP HOP no Memorial da América Latina.

17a saída do Projeto Livraria Suburbano na Estrada



Buzo na missão





Hoje, sábado 28 de Novembro de 2015, eu (Alessandro Buzo) lancei meu novo livro "Ruas de Fogo" no IX Encontro Paulista de Hip Hop no Memorial da América Latina, foi "dentro" do Sarau do Bank´s.
E durante o dia todo estivemos no evento com o Projeto Livraria Suburbano na Estrada, nosso #BookTRUCK ... saiba mais: www.literaturaperiferica.blogspot.com
As vendas foram bacanas, mas o mais legal é os amigos (as) que trombei o dia todo.
Destaque pra querida Lunna Rabetti (Hip Hop Mulher), uma mina que tem meu MÁXIMO RESPEITO, sem palavras..... ainda mais que hoje tive uns minutos com ela e a filha, que vi pessoalmente quando era criança, hoje já se apresenta com nome de "DJ", curti demais o tempo que passamos juntos.
Sobre os salve sobre o #SPTV e porque tô fora da TV, nem vou comentar, foi o dia todo.
Evento lindo..... dia de renovar as forças pra luta.
Segundo ano que o STAND da LIVRARIA SUBURBANO CONVICTO cola no evento.... agradecer o Marcio Santos da Pasta Hip Hop da Secretaria de Estado da Cultura, por sempre lembrar de nós.
POVO, que trombou, que colou, que trocou ideia, tirou foto..... VCS SÃO DEMAIS, VALEU.
Alessandro Buzo, escritor



LUNNA e a filha @DjNielyOficial



Marcelinho Back Spin e Buzo



Depois de lançar o RUAS DE FOGO no Sarau do Bank´s no evento...





Buzo, Manno B e Erivan (Fortaleza-CE)





Dj Niely, Marilda Borges e Lunna



NegroStyle e família



Emicida durante debate, depois ele faria show



Amiga "bombeiro", disse ser minha fã......... só agradeço tanto carinho do povo.









Livraria Suburbano Convicto







Gilberto Yoshinaga



















Pelé e Buzo



Bonga e Buzo











B.Boy Chileno e Buzo



Mano prestigiando o lançamento do livro RUAS DE FOGO





Projeto Livraria Suburbano na Estrada



Versão itinerante da Livraria Suburbano Convicto


www.buzo10.blogspot.com